top of page

Hoje eu me assumo publicamente, mas passei pelo mesmo processo que a empresa em que trabalho passou

Há dois anos a Petronect criou um Comitê da Diversidade para promover a inclusão e disseminar conhecimento entre seus colaboradores, focada na prática de seu valor Respeito



Mariana Moreth

Luiza Napoleão

Ludemberg Freires


“Aqui se fala a língua do Respeito”. Com esta frase, a empresa carioca Petronect, o maior Marketplace B2B do Brasil para o setor de Óleo e Gás e que possui como sócias a Petrobras, Accenture e a SAP, resume as suas ações para destacar a Diversidade e promover a Inclusão em seu quadro de colaboradores, puxado por um de seus valores corporativos: Respeito.


No mês do Orgulho, em que o dia 28 de junho concentra a comemoração oficial do Dia do Orgulho LGBTQIAPN+, o avanço da inclusão deste grupo no meio corporativo volta à pauta. O distanciamento físico e a chegada do home office semearam na esfera social um exercício de humanização, parceria e do olhar ao próximo com empatia e respeito.


Isso se refletiu também no universo corporativo, onde a inclusão da comunidade LGBTQIAPN+ ganhou ainda mais força, inovando até mesmo na maneira de se comunicar com o público interno. A sigla LGBTQIAPN+ (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais, Queers, Intersexuais, Assexuais, Pan/Poli, Não-binárias e outras formas de orientação sexual e identidade de gênero) foi criada para representar pessoas que não se identificam com a heterossexualidade ou com a binaridade dos gêneros.


Um estudo feito pela psicoterapeuta e pesquisadora Daniela Ghorayeb*, demonstrou que que 67% dos entrevistados afirmaram sentir vergonha de sua orientação sexual, sendo que 35% apresentavam quadros de Depressão e 10% com risco de suicídio. Segundo os entrevistados, família, religião e fatores como a pressão cisheteronormativa da sociedade eram os maiores indutores de sentimentos autodestrutivos.


As empresas passaram a oferecer um local seguro, para livre expressão, e apesar de muito ainda precisar ser feito, cada vez mais organizações têm desenvolvido ambientes corporativos inclusivos, com políticas de acolhimento e acompanhamento e programas de incentivo a inserção de pessoas LGBTQIAPN+ no mercado de trabalho.


Na Petronect, a colaboradora Mariana Moreth, analista de Operações, comenta sua experiência: “Estou na empresa há 10 anos e posso dizer que quando cheguei aqui, não havia um departamento focado em Gente. Hoje, as coisas mudaram: começamos a falar em Diversidade em 2021, quando o departamento de Recursos Humanos assumiu esse tema. Desde então me senti acolhida. O mesmo processo pelo qual a Petronect passou para incluir a pauta da Diversidade, Equidade e Inclusão, eu também passei – foi exato quando eu me assumi publicamente, animada por este movimento”.


Mariana destaca que além de letramento, a empresa promove rodas de conversa, disponibiliza literatura sobre o tema, promove lives com representantes dos grupos minorizados que compartilham suas experiências e abrem debates.


“Eu vivi parte da minha vida em um ambiente religioso, em que passei por um processo muito grande de autoconhecimento e isso foi muito feliz, mas ao mesmo tempo muito difícil para mim. Estar em uma empresa que acolhe faz toda diferença e me ajudou em todo esse processo. Sinto, também, que meu desempenho melhorou porque a empresa também melhorou: o espaço de diálogo com a diretoria e a média liderança aumentou, os valores e a cultura foram fortalecidos, e isso impactou o desempenho de todos, acredito. Consegui me libertar sem julgamentos e me reconheci como mulher preta – eu que sempre olhei movimentos em prol dos grupos minorizados com certo preconceito, como se fossem migalhas que eu não precisava. Mudei de opinião a partir do conhecimento fomentado em meu ambiente de trabalho”.


O colaborador Ludemberg Freires, analista de Recursos Humanos, complementa com sua vivência: “Fui admitido na Petronect em 2020 e um mês depois foi declarada a Pandemia e todos fomos para o home office e não consegui me aproximar das pessoas de forma rápida Um ano depois foi criado Comitê da Diversidade e a Petronect foi a primeira empresa que trabalho, em oito anos, que consigo falar da minha orientação sexual sem medo de julgamentos. O Comite me fez sentir a inclusão. Desde a sua criação me vejo mais pertencente porque me sinto à vontade para falar, me sinto seguro quando preciso tratar deste assunto em eventos ou rodas de conversa e até mesmo motivar outras pessoas a buscar conhecimento sobre os temas de Diversidade e Inclusão. Alguns colegas me olham como referência para tirar dúvidas, se sentem livres para abordar assuntos do universo LGBTQIAPN+, desconstruindo e construindo novos conceitos”.


A empresa incluiu a Diversidade como pilar e tornou públicas as suas ações através de página dedicada em seu Portal corporativo: ali reúne estatísticas de um senso feito com colaboradores. Nos números da Diversidade na Petronect, 54% de seus colaboradores são mulheres e 46% homens. Quanto a diversidade étnico-racial, 44% são de pessoas pretas ou pardas, enquanto 56% de brancos. Mesmo não sendo obrigatório devido seu reduzido quadro funcional, 2% de seus colaboradores são Pessoas com Deficiência.


De acordo com Luiza Napoleão, atual líder do Comitê de Diversidade e gerente de Relacionamento da Petronect, a jornada da empresa é marcada pelo reforço da comunicação interna, com fortalecimento da cultura corporativa e seus valores. “Além das dinâmicas promovidas pelo Comitê de Diversidade, serão lançados em breve um Manual da Diversidade, com letramento adequado para colaboradores, e a política de Diversidade. Queremos estimular as trocas de conhecimento e experiências para deixar os colaboradores mais à vontade para dialogar, entender e valorizar as diferenças. Hoje, temos mais espaço para relações de respeito e de melhor qualidade, o que resulta em ampla segurança psicológica, diversidade de ideias e resultados com excelência”.



*ROSA, Wilzacler. Pesquisa revela o risco de suicídio na comunidade lgbt. Disponível em: https://www.crp15.org.br/artigos/pesquisa-revela-o-risco-de-suicidio-na-comunidade-lgbt/ , acesso em 10 de Fevereiro de 2023.


Comments


bottom of page